12 de set de 2010

A angústia dos mineiros no Chile


Uma das máquinas que trabalham no resgate dos mineitos (Foto: AFP)

Mais de um mês. É o que já dura a angústia de trinta e dois mineiros chilenos e um boliviano no Chile. Às 14h40 do dia 5 de agosto, um desabamento atingiu a mina San José (na região do deserto do Atacama, a 800km ao norte de Santiago), onde estavam trabalhando.

Presos a mais de 700m de profundidade, os mineiros aguardam por um resgate trabalhoso e demorado, que promete levar mais alguns meses. Neste momento, duas máquinas estão perfurando o solo, de modo a formar túneis. A primeira máquina, ''plano A'' do resgate, perfurou 212m, de um total de 703. O plano B também estava em ação, porém a quebra de uma peça da máquina no túnel, na última quinta-feira, colocou o plano em dúvidas. Até quinta, quando parou de funcionar, a máquina havia perfurado 268m de um total de 630m. Agora, o terceiro plano também está sendo colocado em prática. A terceira máquina (que ilusta este post) é uma sonda petrolífera, com capacidade de perfurar de 20 a 40m por dia, conforme o tipo de solo. Ela deve perfurar 597m, e está sendo montada.

Enquanto isso, um cano plástico que vai até a mina leva ar, comida, comunicação e eletricidade até os mineiros. Além de manter os mineiros vivos, o esforço é para mantê-los com certo entretenimento, para evitar depressão, o que tem sido feito através de contato com a família e até puderam assistir a um jogo do Chile, recentemente.

A estimativa das autoridades chilenas é que o resgate dos trinta e três mineiros ocorra antes do Natal.