31 de jul de 2011

O caos volta amanhã

No fim de junho eu fazia meus planos para as férias. Eram planos de dormir mais, de postar mais no blog, de dar mais atenção aos meus planos pessoais e tantos outros.

Bom, as pseudo-férias passaram e, de todos os planos, só coloquei em prática o de dormir mais. Agora chego ao último domingo de julho pensando que amanhã é agosto e voltam as aulas. Volto às minhas três a cinco horas de sono diárias. Volto a trocar as noites de descanso pelas noites prestando atenção às aulas. Voltam as reponsabilidades em relação às notas. Mas, como não só eu volto às aulas, volta também o caos no transporte público, com o aumento no número de pessoas transportadas diariamente.

Sim, de novo o transporte público. Posto bastante sobre o tema porque, como já comentei, passo seis horas por dia em ônibus, metrôs e, a partir de amanhã, trens também. E porque ao longo de maio e junho eu tirei algumas fotos de situações que me incomodam, para montar posts para o blog.

Quem convive comigo e não pega a linha vermelha do Metrô às vezes se surpreende com o que falo. Tem dia que levo 15 minutos para conseguir passar pela linha de bloqueios (erroneamente chamada de catraca) da estação. Para ilustrar o que eu digo, vejam a foto abaixo, do início de maio. É a fila para entrar no Metrô Carrão. É uma fila que se estende por toda a passarela que liga a estação em si até o local onde os ônibus param, do outro lado da Radial Leste.

Chegar à plataforma às vezes é uma luta - Foto: Fábio De Nittis

Passamos pela primeira etapa. É hora de chegar à plataforma. O problema é que o metrô já sai cheio de Itaquera. De Itaquera até a Sé são doze estações. Doze estações que devem receber, cada uma, entre dez e vinte linhas de ônibus lotados, de todos os bairros da zona leste. O metrô chega à estação Carrão completamente lotado, com pessoas amassadas na porta (na verdade, o metrô já passa assim várias estações antes). As plataformas vão lotando sem parar. Apesar de eu não ficar esperando trens do metrô mais vazios passarem e querer embarcar sempre o quanto antes, já cheguei a ficar 35 minutos na plataforma até embarcar. Ou alguém acha que é fácil entrar no metrô assim:



Plataforma às 8h da manhã, já no fim do horário de pico,
em maio - Foto: Fábio De Nittis


Ok, após a espera na plataforma, viagem no metrô apertado. Estaria tudo "bem" se do Carrão até a Sé levasse 13 minutos, como acontece fora do horário de pico. Nas horas mais lotadas do dia, os trens circulam colados uns aos outros e são frequentes as paradas entre estações para "aguardar a movimentação do trem a frente". Resultado? A viagem não dura menos de 25 minutos. Em dias mais caóticos, como dias de chuva, por exemplo, cchega a levar 40 minutos. Já vi levar 1h. 1h para percorrer apenas seis estações.

Descemos na Sé, que está sempre muito cheia. Em dias caóticos interditam a escada e desligam escadas rolantes, para diminuir a superlotação na plataforma de acesso à linha azul. Nisso, mais minutos consumidos. Já cheguei a levar quarenta minutos entre sair do trem do metrô da linha vermelha e entrar no trem da linha azul.

Levando mais ou menos tempo, o fato é que o caos está aí, em todas as linhas (inclusive nas linhas 4 - amarela e 5- lilás), seja metrô, trem ou ônibus. E, depois de um mês mais calmo devido às férias e à ausência de chuva nos horários de pico, o caos volta amanhã. Paciência e boa sorte a todos nós a partir de amanhã, tenho certeza que precisaremos.