16 de out de 2011

Duas horinhas

Agosto, setembro e metade de outubro. Dois meses e meio se passaram desde meu último post no blog. Neste meio tempo tive várias ideias de post, mas nenhum texto escrito, embora alguns tenham até sido rascunhados. O motivo? O de sempre: a falta de tempo, é claro.

Aliás, desde o ano passado administrar o tempo tem sido complicado. O problema não é o desperdício de tempo, não. O problema é abrir a agenda, ver uns espacinhos livres e, sabe-se lá como, ocupá-los, sem nem se dar conta. Por causa disso, ano passado eu trabalhava o dia inteiro e aos sábados, e comecei a ter as raras enxaquecas que tenho. São raras, mas intensas: escurecem a vista, fazem as mãos ficarem geladas e formigarem, me impedem de pensar e soltar uma frase com nexo e fazer qualquer coisa. E o problema é que nem sempre dá pra deixar de cumprir compromissos. Em um dos dias de enxaqueca, por exemplo, tive que tomar quatro comprimidos para a dor amenizar e eu poder apresentar um seminário na faculdade.

E aí que chegou dezembro, tirei férias e, justamente por estas situações, prometi que em 2011 seria diferente. Ficou só na promessa. Entrou 2011 e comecei a trabalhar menos horas, mas muito mais longe, e as seis horas diárias de condução sugaram meu tempo ainda mais do que em 2010, algo que parecia impensável até então.

Felizmente, a situação mudou, porque recentemente comecei a trabalhar em casa quase todos os dias, o que me rende duas horas a mais de tempo livre. Não que duas horas tenham me feito ter todo o tempo do mundo (quem dera!), eliminado totalmente meu cansaço e coisas do tipo, mas me permitiram diminuir um pouco meu ritmo de vida e o estresse e o esgotamento do dia a dia. E percebi, mais do que nunca, o quanto a qualidade de vida é importante. O quanto é bom me estressar menos (ainda que eu seja calmo). O quanto é bom dar mais atenção à família. O quanto é bom ter... tempo! Tempo para dormir, tempo para fazer aquele álbum no Facebook que estou para fazer há meses (ok, isso ainda não fiz), tempo de diversificar a leitura, tempo de dormir mais umas horinhas, tempo de planejar com mais precisão o meu futuro, e, é claro, de postar no blog.

Bom, resumindo, este post é pra dizer que: primeiro, não tenho muitas metas de atualizações mensais do blog, mas peço desculpas pelo longo tempo de ausência. Pretendo atualizar com mais frequência a partir de agora. Segundo: fico muito agradecido pelos mais 4 mil cliques neste um ano e meio de blog. Não esperava tantas visitas e se tem uma coisa que jornalistas ou futuros jornalistas gostam é de serem lidos. Valeu mesmo! (Ah, e como estou na internet, conto com a vantagem que de meus textos não viram forro de gaiola de papagaio).  E terceiro: para convidá-los a ler o Celeste e Branco, o meu blog sobre Buenos Aires e sobre a Argentina. Pretendia ter começado este blog em fevereiro e cheguei até a escrever o post de boas-vindas na época, mas agora enfim poderei escrever sobre esta cidade encantadora, que tem ganhado o coração dos brasileiros e que, em breve (se tudo correr conforme o planejado), vai me ter como morador. Espero que gostem!